Semiologia do Direito Crítico, atual e revolucionário, é uma leitura que não desaponta; pelo contrário, produz reflexão, provoca, exige debate." 

 [EDITORA]  


1.    Nota à segunda edição

2.    Cap. 1 - Primeiras linhas.  

3.    Cap. 2 - Biologia e Direito?

4.    Cap. 3 – A ordem natural (e a cultural) da desigualdade

5.    Cap. 4 - A razão: essa tal grande diferença

6.    Cap. 5 – A razão em forma e em conteúdo

7.    Cap. 6 – A inserção no mundo dos significados

8.    Cap. 7 – Sob o império da cultura

9.    Cap. 8 – Ideologia, praxis e linguagem

10.Cap. 9 – A Semiose

11.Cap. 10 – Relações associativas e sintagmáticas

12.Cap. 11 – Direito e comunicação

13.Cap. 12 – A palavra e o Direito

14.Cap. 13 – Biológico, psicológico e jurídico

15.Cap. 14 – A norma jurídica e a qualidade de Estado

16.Cap. 15 – O Direito posto e o Direito vivido: o problema da efetividade jurídica

17.Cap. 16 – Aspectos semiológicos da norma jurídica

18.Cap. 17 – Primeiras linhas à interpretação do texto normativo

19.Cap. 18 – A Construção do significado normativo

20.Cap. 19 – A Aplicação do Direito

21.Cap. 20 – A supremacia das verdades manufaturadas

22.Cap. 21 – Poder e efetividade jurídica

23.Cap. 22 – Hipocrisia: o mito da cidadania no Brasil

24.Cap. 23 – Um arremate

25. Post Scriptum. Huitzilopochti: criar, recriar, trair e esquartejar (o humano universo da significação).

26.Referências Bibliográficas